quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Relatório da aula do dia 29 de Novembro de 2017 - Turma Y


 Iniciamos a aula do dia 29 de Novembro aquecendo nossos corpos. De "surpresa", Renata começou a tocar o tambor do Cacuriá e todos tiveram que despertar o processo a partir do local e posição que estavam. A primeira cantiga do dia foi o ''Bole-Bole''.

Imagem I = Bole Bole

 A segunda cantiga do dia foi "Avoou". Renata cantou primeiro os versos usuais da canção e na segunda rodada improvisou a seguinte quadra:

''O semestre tá acabando;
Vamos chegar no final.
Terminar esse processo;
Pra descansar no natal.'' 

 A terceira canção trabalhada no aquecimento foi "Cachoeira"; a quarta foi a retomada da "Galinha Jurema". 

Vídeos I e II = Galinha Jurema

 O quinto canto foi inédito. Trabalhamos "Perdigou o meu Jacá". Primeiro treinamos a coreografia e a disposição de pés (direito na frente, esquerdo atrás) a partir do ritmo e depois aprendemos a letra: 

''No meu jacá tem: (Puxador)
Manga, jaca, caju e cajá. (Coro) (4x) 
Ou venha ver, o que leva o meu Jacá:
Leva pedra, concha, conta;
Leva trança do chocalho;
Do mar, o marulhar;
Do canto, cantarolar. (Puxador depois Coro)'' 

Áudio I = Aprendendo a letra 
Áudio II = Primeiras tentativas do grupo 
Áudio III = Aumentando a velocidade 
Vídeo III = Perdigou o meu Jacá 

 Com o fim do aquecimento, Renata entregou folhas de sulfite para cada um dos alunos e esses retomaram o desenho do esqueleto, realizado no começo do semestre, na primeira aula de Consciência Corporal (30/Agosto/217). Os alunos tiveram que redesenhar a maneira como observam o próprio esqueleto, sendo o mais consciente possível; tentando destacar que evoluções corporais sensoriais percebeu ao longo do semestre, incorporando essas novas informações ao novo desenho. 

Imagens II e III = Desenho do Esqueleto 

 Os alunos tiveram comentários diversos: alguns acharam que fizeram apenas desenhos artísticos, outros que conseguiram destacar a evolução corporal no esqueleto e alguns outros acharam que o desenho não demonstrou nada novo. 

 Após as experiencias sensoriais, a aula se reconfigurou para um debate/conversa. Renata fez a devolutiva das atividades realizadas durante o semestre: o texto rascunho do Ensaio e as famosas frases que os alunos dizem ao fim das aulas Conversamos então sobre como serão os próximos dois encontros de performances e a entrega final do Ensaio. Essas avaliações ocorrerão para que todos reflitam e tenham a oportunidade de demonstrar seu processo de evolução corporal, refletindo a trajetória de possível transformação durante o semestre, percebendo também os próprios vícios de movimentação, dúvidas, inquietações e dificuldades. As performances devem ser diversas e refletir parte da personalidade de cada estudante e terão duração de 10 minutos para cada estudante. Já o Ensaio Final deverá ter entre 8 e 10 mil caracteres e ser entregue cópia física e digital. 

 Renata então nos apresentou uma frase filosófica "você deve saber o que sabe e saber o que não sabe" apenas assim poderemos continuar nos questionando e evoluindo durante as experimentações do curso. 

 Por fim, discutimos o texto ''A Mulher Desencarnada'' de Oliver Sachs, o que é a propriocepção e como ela funciona e como o ator se beneficia dessa. Debatemos também, a partir de um comentário feito por Dandhara, a cinestesia (sentido da percepção de movimento, peso, resistência e posição do corpo, provocado por estímulos do próprio organismo) e a sinestesia (cruzamento de sensações; associação de palavras ou expressões em que ocorre combinação de sensações diferentes numa só impressão) a partir de conceitos como o equilíbrio, postura, o toque, a sensibilidade, a experiência e a percepção.


Texto por: Dennys Roberty Meneses Evangelista

As transcrições das quatro primeiras cantigas utilizadas no aquecimento não foram adicionadas aqui mas estão presentes em relatórios anteriores.

Significado de Cinestesia e Sinestesia a partir do Dicionário Google.

Link para acesso dos Áudio, Imagens e Vídeos compartilhado no grupo do whatsapp.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Os textos do semestre que dialogam com a experiência



Para facilitar o acesso aos textos que devem dialogar com sua experiência no texto no qual cada estudante vai apresentar uma perspectiva ou um recorte de seu processo, colocao abaixo, novamente, os textos acessíveis pela internet.

Consciência Pelo Movimento de Moshe Feldenkrais

A Mulher Desencarnada de Oliver Sachs



A educação somática e os conceitos de descondicionamento gestual

autenticidade somática e tecnologia interna.


domingo, 26 de novembro de 2017

Aula com Paulina

Quem ficou de postar esta aula?
Eu tenho muito interesse em saber o que foi e como foi trabalhado.

Caso ninguém tenha se preparado,
proponho uma descrição colaborativa.

Este é o primeiro passo...
Quem vai seguir daqui?

Lais Emília:

Não sei se alguém ficou encarregado de postar, mas segue minha observação sobre a primeira parte da aula:
Começamos a aula com a musica "escorregou, foi na ladeira " com uma alteração na letra, mudamos para " saiu requebrando com as mãos na cadeira". Algumas vezes a Paulina puxou o escorregou antes da hora, para ver a prontificação do grupo, porem aconteceram algumas quedas, pois o grupo não estava preparado. 
Em seguida aprendemos uma dança indígena em roda, que trabalhava tanto o ritmo quanto o envolvimento do grupo pois tínhamos que estar conectados, nos olhando enquanto dançávamos. 
Deitamos no chão e deixamos nossos corpos pesar no chão por um certo tempo, quando já estávamos totalmente concentrados e desconectados do nosso corpo como ele é, redescobrimos cada parte dele, como um bebê renascemos, observando as mãos, os pés, porem ainda deitados, aos poucos fomos nos desenvolvendo, primeiro descobrindo como ficar de bruços, que é uma das primeiras descobertas do bebê, percebendo o peso da cabeça, e aprendendo como fazer ela se sustentar. Em seguida aprendemos como engatinhar, como sentar, como tentar ficar de pé e por fim andar, primeiro andar como um primeiro passo, e pouco a pouco andar como andamos no nosso cotidiano. Andamos no espaço observando uns aos outros, concluindo o exercício.

Maria Eduarda:

Além do que a Lais citou, também fizemos o "Pra Dentro e Pra Fora" em que em duplas, ambos devem deixar o peso cair para o centro sustentando-se um corpo no outro, ou se sustentarem no centro e deixar o peso cair para trás.
Trabalhamos resistência também, em que uma pessoa demonstrava que ia mover determinada parte do corpo e sua dupla colocava a mão nessa parte para criar uma resistência para que a que está se movendo tonifique essa parte do corpo. Em seguida, fizemos sozinhos sem a dupla.
Foi feita uma interação com a parede também: para dentro e para fora, tonificação, movimentação.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Relatório da aula do dia 8 de Novembro de 2017 - Turma Y

Começamos a aula dançando e cantando a musica do "Bole Bole", para aquecermos. Depois desse aquecimento a professora colocou uma música para ajudar no exercício de "investigação" das articulações do corpo e seus movimentos. Em seguida, ainda com música, cada pessoa fazia um movimento para lubrificar as articulações: alguns deitados, outros em pé, mexemos mãos, braços, pés, coxas, pescoço e toda parte do corpo que conseguíamos.

Resultado de imagem para mexendo as articulações
Cada um ia se percebendo no espaço conforme o exercício de locomoção foi proposto. Essa movimentação é interessante pois dava pra perceber nosso corpo descolando e nossa atenção com todos a nossa volta. Era importante essa percepção das pessoas ao nosso lado, mas tínhamos que tentar não desviar o foco dos nossos movimentos, para não ficar com ações repetitivas. Pontos importantes para se perceber era a nossa respiração, visceralidade, sentimentos e sensações.

Depois de todas essas percepções do corpo e movimentações do mesmo, sentamos para fazer nossas anotações sobre alguns pontos que a professora citou: Concentração, Pensamentos, Imaginação, Memória, Conflitos e Descobertas. Primeiro cada um anotou sobre esses pontos em seus cadernos e depois começamos a discutir juntos sobre esses aspectos. A roda de conversa foi muito produtiva e muitos conseguiram dizer o que sentiu ou o que imaginou no momento da atividade. A professora quis saber nos nossos sentimentos, das nossas imaginações e quem não conseguia se concentrar por algum motivo. Algumas pessoas falaram que sentiram enjoo na parte de sentir as vísceras com determinadas movimentações. Outras pessoas disseram que perdiam o foco e não conseguiam se concentrar totalmente na atividade. Outras concluíram que a atividade fez muito bem ao corpo.

Sobre as imaginações, foi muito interessante perceber como algumas pessoas conseguiram pensar que estavam em outros lugares, como a Karina que relacionou-se com um avatar, sentindo como tudo aquilo fosse um organismo só, e outras sensações que sentiram também foram colocadas na roda. Por fim, podemos concluir que é preciso se desconstruir, ser muitas coisas, ter muitos pensamentos e ações diferentes, porque se descobrir é maravilhoso.

Resultado de imagem para pessoa em movimento

Autoras: Isabella e Lisandra.



domingo, 29 de outubro de 2017

Relatório da aula do dia 27/10/2017 - Turma Y

          Começamos falando sobre o texto que a professora pediu que vai ser usado como base para o trabalho final do semestre. Depois nos reunimos para ajudar os colegas a acrescentar algumas informações que estavam faltando nos últimos relatórios.

          Sentamo-nos em dupla para realizarmos um exercício no qual um da dupla se deitaria enquanto o outro realizaria alguns movimentos propostos pela professora com a cabeça do outro componente da dupla. 



          Depois trocamos de lugar e fizemos de novo, fazendo assim com que ambos movimentassem as articulações presentes no pescoço e também sentissem alguns ossos presentes no crânio. Porém, a professora deixou bem claro que deveríamos sentir o peso da cabeça do colega e que prestássemos atenção se o músculo esternocleidomastoideo.





          Depois a professora nos entregou um bastão e nos fez trabalhar primeiro com a cabeça. Com o bastão teríamos que fazer em nós mesmos os mesmos movimentos que o outro colega realizou anteriormente. Depois ela pediu que a gente liberasse as articulações das mãos. Depois a gente foi movimentando os braços e a escapula até nos levantarmos por completo, explorando os diversos níveis segurando o bastão com os dois dedos médios.



          Voltamos a ficar em duplas e trabalhamos os níveis com as duas pessoas segurando dois bastões com os dedos médios sem deixar os bastões cair. Depois formamos três quartetos e um quinteto e repetimos o mesmo processo, ficando assim mais complicado para manter os bastões em movimento sem os deixarem caírem. Depois formamos dois grupos grandes, repetindo o processo e acabou dificultando mais ainda manter o equilíbrio dos bastões. Quanto mais aumentava os grupos, mais aumentava a nossa responsabilidade com o colega. Um grupo grande foi formado e acabou que ficou completamente difícil seguir os movimentos dos colegas sem a queda do bastão.

          Depois desse exercício cantamos e dançamos quatro cirandas. 

Lua Cheia

Foi numa noite de lua cheia
Dancei ciranda na beira do mar
E as estrela era o brilho dos olhos dela
A mulher mais bela
Sereia do Mar

As onda vem, as onda vai
É no balanço deste mar que eu vou
Vou escrever onome dela na areia
Oh minha sereia, oh meu grande amor 

O Careca

Disse o careca passando a mão na cabeça
Se meu cabelo crescesse não mandava cortar não
Os cabeludo andam aí mandando brasa
Dizendo a Luiz Gonzaga: Deixe meu nome de mão!

Cirandeiro Ó

O cirandeiro, cirandeiro ó
A pedra do seu anel brilha mais do que o sol

(ciranda para cantar versos improvisados e/ou sabidos)


Ciranda do Rio

Vai ciranda do rio
Vem ciranda do mar

Mergulha, mergulha na ciranda do rio
Mergulha, mergulha na ciranda do mar.




Depois retornamos ao “escorregou”, A galinha Jurema, cachoeira, bole-bole.

Escorregou

“Escorregou, (puxador)
Foi na ladeira. (Coro) (2x)
Saiu remexendo com a mão nas ‘cadeira’. (4x)”

A Galinha Jurema

“Adelina, diacho, cadê meu melão? (puxador)
A galinha comeu, a galinha comeu! (coro)
O meu melão tão madurinho. (puxador)
A galinha comeu, a galinha comeu! (coro)

Deu meia noite,
Eu saí a procurar
A galinha Jurema
Eu hei de achar. (2x)”

Cachoeira

“Cachoeira, Cachoeira (Puxador)
Cachoeira, Cachoeira (Coro)
Quero me banhar nas águas do rio, nas águas do mar (Puxador)
Quero me banhar nas águas do rio, nas águas do mar (Coro)
Quero ver a sereia Iara a cantar (Puxador)
Quero ver a sereia Iara a cantar (Coro)
O nas águas do rio, nas ondas grandes do mar (Puxador)
O nas águas do rio, nas ondas grandes do mar (Coro)”

Bole - Bole

“Tu não me mexe, tu não me bole, que eu tenho a junta do meu corpo toda mole. (Puxador)
Tu não me mexe, tu não me bole, que eu tenho a junta do meu corpo toda mole. (Coro)
Oi tu não me mexe, oi tu não me bole, que eu tenho a junta do meu corpo toda mole. (Puxador)
Tu não me mexe, tu não me bole, que eu tenho a junta do meu corpo toda mole. (Coro)”

Nomes: Elizabete Gomes Moreira dos Santos e Lais Barbosa dos Santos

Referências Bibliográficas

https://www.youtube.com/watch?v=O_lW27IRSoc - 

Músculo ESTERNOCLEIDOMASTOIDEO: Nomenclatura, origens, inserção e ações - Anatomia - VideoAula 160